quinta-feira, 22 de maio de 2014

Filmes: "Godzilla" (2014)

MONSTROS & ARTE

Quem se livrar de preconceitos e abrir a mente para outro tipo de aproximação ao personagem clássico, certamente vai gostar e muito.

- por André Lux, crítico-spam

Confesso que não dei a menor bola quando fiquei sabendo que Róliudi ia produzir mais uma versão do monstro "Godzilla" para os cinemas. Até porque estou entre aqueles que não acharam tão ruim a divertida e estúpida versão de 1998, feita por Roland Emmerich na esteira do sucesso do seu "Independence Day". 

Mas o novo filme entrou no meu radar quando descobri que foi dirigido por Gareth Edwards, cujo filme de estréia, "Monstros", me agradou bastante. Era um filme quase artesanal, feito com um micro orçamento, mas que surpreendia pela forma inusitada de contar uma história que em outras mãos transbordaria de clichês e cenas idiotas.

Indo na contramão, Edwards transformou um filme sobre uma infestação alienígena na fronteira entre os EUA e o México numa interessante reflexão sobre a pequenez e a impotência do ser humano frente a poderosas e indomáveis forças da natureza. E isso ainda misturado a um comentário político pertinente.

Entra então "Godzilla", que eu me atrevo a dizer que é o primeiro grande filme de arte sobre monstros. Os realizadores procuram fugir do "feijão com arroz" de sempre, tipo "monstro nervoso destruindo tudo enquanto é atacado pelo exército até ser morto no final", e o novo filme da cultuada criatura japonesa tem, pasmem, uma história habilmente desenvolvida nas mãos do diretor Edwards, que se esmera em apresentar os personagens e criar clima até a apoteose de destruição no final.

Mas, muito diferente do que vemos atualmente nos chamados "arrasa-quarteirões" produzidos em massa pelos EUA, o novo "Godzilla" não aposta em cenas de ação incessantes, nem em excesso de efeitos visuais, mas em sutilezas e cenas construídas com esmero e excelente noção cinematográfica. 

Inteligente, o diretor mostra muito pouco das criaturas nos dois primeiros atos do filme e, quando o faz, é sempre por meio do ponto de vista de algum dos personagens humanos, novamente reforçando, como em "Monstros", a nossa miudeza frente às forças da natureza, aqui representadas por duas criaturas gigantes que se alimentam de radiação e, claro, pelo próprio Godzilla, que é o predador natural delas e as caça durante todo o filme.

A trama é rebuscada e custa um pouco a engrenar, mas isso não atrapalha, pois permite que o foco fique em cima dos personagens humanos que não tem função de causar impacto aos acontecimentos, mas sim de sofrerem os impactos dela, aumentando assim o suspense e até o terror. Embora o terror aqui não seja do tipo "monstros dando sustos", mas sim aquele terror primordial que sentimos frente à iminência da morte causada por forças muito superiores à nossa.

O filme é tão contra a corrente que se até ao luxo de eliminar logo no começo dois personagens feitos por atores de peso que tinham tudo para serem os protagonistas. O que aumenta ainda mais a sensação de insegurança e suspense.


Cena dos paraquedistas é antológica

Há uma cena antológica quando soldados se jogam sobre a cidade coberta por nuvens de fumaça, bem em cima dos monstros que se digladiam, sob o ponto de vista dos paraquedistas ao som de "Requiem", de Ligeti (que também foi usada por Kubrick em "2001").

A trilha musical, por sinal, é uma das melhores que ouvi em um bom tempo. Composta pelo francês Alexandre Desplat é quase que totalmente atonal e bastante complexa, tanto na orquestração, quanto na execução. O que é uma lufada de ar fresco num meio que hoje é quase completamente dominado pelo lixo que o abominável Hans Zimmer "inventou".

O maior problema do filme acaba sendo justamente o seu nome, pois todos os outros filmes do Godzilla eram, de uma forma ou de outra, um besteirol trash sobre um monstro (geralmente um homem vestindo fantasia de borracha) detonando uma maquete e sendo atacado incansavelmente até o final óbvio.

Isso vai frustrar as expectativas de quem esperar que o novo filme siga a mesma toada e certamente vai gerar reações de ódio nos mais fanáticos. Mas quem se livrar de preconceitos e abrir a mente para outro tipo de aproximação, certamente vai gostar e muito. Esse é um dos raros filmes de grande orçamento feitos pela indústria cultural estadunidense que aposta na inteligência do espectador.

Cotação: * * * *


2 comentários:

Anônimo disse...

Porra, fiquei até com vontade de assistir!

Marcus Valerio XR disse...

Não obstante, o filme foi um sucesso, inclusive no Japão. E cabe lembrar que ele é bem mais próximo ao espírito da tradição japonesa que o filme de 1998. Faturou tanto que as continuações (essas sim me preocupam), já tem datas marcadas para estrear.

No mais, foi uma das críticas mais agradáveis que já li, pois também adorei o filme e me identifiquei bastante com sua percepção.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...