Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Filmes: "Capitão América 2: O Soldado Invernal"

POLITIZADO E SINCERO

O grande vilão do filme é a medida que visa tirar a privacidade das pessoas em nome da ladainha da "defesa da liberdade"

- por André Lux, crítico-spam

Como eu havia dito em minha crítica ao primeiro filme, tinha tudo para dar errado mais esta adaptação de um super-herói da Marvel, a começar pelo nome "Capitão América", que evoca as piores bravatas patrióticas pelas quais os estadunidenses são famosos.

Mas, incrível: conseguiram não apenas fazer um bom filme com o personagem, mas dois! Seguindo a toada do primeiro filme, "Capitão América 2: O Soldado Invernal" também vai contra a corrente do que normalmente seria um filme desse tipo e aborda questões realmente relevantes e atuais em seu enredo, fugindo de maneira inteligente de patriotadas ridículas.

Assim, o grande vilão do filme é justamente a medida que visa tirar a privacidade das pessoas em nome da velha ladainha da "defesa da liberdade", algo que parece bonito no papel, mas que pode (e é) usado para simplesmente perseguir quem pensa diferente do que é aceito pelo sistema. Em tempos de espionagem irrestrita feita pelo governo dos EUA, principalmente no mundo virtual, e contínua restrição de liberdades esse é um debate dos mais pertinentes.

E o politizado e sincero Capitão América representa no filme a luta pela preservação dos direitos humanos contra a máquina de moer gente que deseja enfiar goela abaixo da população mundial o "american way of life". Os realizadores acertam também ao colocar um famoso libertário como Rorbert Redford justamente no papel do vilão - e o ator se deita e rola fazendo o personagem. 


Claro que nem tudo são flores. O tal Soldado Invernal que dá subtítulo ao filme, acaba sendo muito fraco e não acrescenta nada, nem quando descobrimos sua verdadeira identidade. A cena em que tentam matar o Nick Fury (Samuel L. Jackson) é exagerada e sem lógica, afinal se queriam simplesmente eliminá-lo, bastaria lançar um míssil contra o carro dele e pronto!

Não faltam também ao filme as cenas de ação, tiros e pancadarias, típicas desse tipo de produto, que quase sempre são tão grandiosas, quanto inúteis. Sem dizer que de vez em quando o Capitão América fica mais para Superman, principalmente quado é atingido por uma bomba e sai voando de cima de um ponte até se esborrachar num ônibus.

O libertário Redford diverte-se como o vilão
E o problema mais óbvio, que infesta agora todos os filmes solos dos heróis da Marvel: onde diabos estava o resto dos Vingadores? 

A trilha musical, que foi tão boa no primeiro filme graças ao talento do compositor Alan Silvestri, acabou nas mãos de um dos inúmeros clones do abominável Hans Zimmer e, embora não chegue a incomodar, também não ajuda em nada.

Entre mortos e feridos, ambos os filmes do Capitão América acabam tendo um saldo bastante positivo, principalmente por usar um viés tão, digamos, "esquerdista" em sua aproximação. 


Sinceramente, não dá para esperar algo mais nobre de um filme de Roliúdi, ainda mais quando é baseado em um personagem de quadrinhos com nome tão duvidoso...

Cotação: * * * *


Um comentário:

Darcy Dettmann Junior disse...

Thor estava resolvem pepinos em Asgard, do outro lado da galaxia, Tony e Banner provalmente estava se virando em NY com os agentes da Hidra, Gavião estava em outro lugar.

Resumindo, eles tinha seu proprios porblemas para resolver, sem falar que os acontecimentos do filme se passaram em um periodo realmente curto.

Claro, isso ainda é um problema de roteiro, mas cosigo ignorar ele.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...