Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 25 de março de 2014

Políticos corruptos são reflexo de um povo corrupto

Furar fila, colar na prova e sentar em assentos reservados são alguns atos que tornam o país mais corrupto, afirmam especialistas

- por Janaína Marques



Aprender é mudar posturas. Essa foi uma lição dos gregos, especificamente de Platão. Mas, no País do “jeitinho”, levante a mão quem nunca furou fila? Ou colou na prova? 

Pois estas são algumas das dez posturas que entram na campanha intitulada “Pequenas Corrupções - Diga Não”, lançada pela Controladoria-Geral da União (CGU) na rede social Facebook. 

O Órgão do Governo Federal, que é responsável por fiscalizar o patrimônio público, veiculou uma imagem com dez mensagens, que focam em atitudes antiéticas, ou ilegais, do cotidiano da sociedade brasileira.

Entre as atitudes citadas pela CGU, estão as ações de falsificar carteirinha de estudante, roubar TV a cabo, comprar produtos piratas e tentar subornar o guarda de trânsito para evitar multas. 

“Cada qual faz a corrupção que pode fazer: deixar de pagar o imposto de renda, não respeitar os direitos trabalhistas da empregada doméstica, estacionar em lugar proibido, passar no sinal vermelho... Tudo isso é uma forma de tirar vantagem da situação”, analisa o professor de Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), André Haguete.

Entendendo corrupção como “tudo aquilo que vai contra a lei ou age a favor de interesses particulares em detrimento dos coletivos”, Haguete concorda que todas essas atitudes possam ser consideradas “corruptas”, mesmo que seja em pequena escala. Para o docente, o tema se relaciona com o “caráter de cada pessoa e uma ética cívica coletiva”.

Para a chefe da Assessoria de Comunicação Social da CGU, Thaisis Barboza, responsável pela concepção e criação da campanha, corrupção representa qualquer ato que gera algum benefício próprio, de forma indevida. “Furar fila não é o mesmo que desviar dinheiro público, mas entendemos que é uma forma de corrupção, mesmo que seja em um grau menor”, explica.

Thaisis ainda argumenta que esses pequenos atos são capazes de propagar atitudes mais graves e defende que: “se uma pessoa é capaz de subornar um policial, lá na frente, poderá ser capaz de subornar para ganhar uma licitação”.

Outros exemplos não escapam aos olhos. “Um condomínio colocou estacas de cimento na praia e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) ameaçou a iniciativa com uma multa. As pessoas decidiram pagar a multa e ir contra a lei, porque tem dinheiro para desobedece-la. E ai?”, afirma, citando uma história verídica.

O sociólogo também não esconde que “todos nós”, alguma vez na vida, já praticamos pelo menos alguma dessas “pequenas corrupções”. “Confesso que quando vou ao exterior sou até mais obediente do que no Brasil”, diz.

Na opinião do professor, a solução para atingir uma mudança efetiva de comportamento, poderia estar no ato de punir o indivíduo, já que “todo mundo sabe o que é proibido”. “Se houvesse uma multa de R$ 1.500 para não jogar lixo pela janela, ninguém faria isso”.

7 comentários:

Prodígios Lopes disse...

A lista já está grande, mas vou acrescentar uma safadeza muito comum: os tais "gatos" de energia e agua. A propósito, quando deputado federal o Delfin Neto disse com todas as letras que o Congresso Nacional é o reflexo de nossa sociedade.

Anônimo disse...

Não há como negar: o brasileiro médio fez ou faz tudo isso, especialmente a classe média que se orgulha de ser "trabalhadora" e "honesta". É corrupta por excelência e vejo isso todos os dias nas pequenas coisas. E se você chama a atenção é imediatamente criticado. Isso tem vários efeitos nocivos, mas vou só citar dois: 1)levamos nossos péssimos mau-modos (sem falar na ignorância) para o exterior, onde eles são imediatamente notados e geram uma imagem negativa do nosso povo, que não é de todo errada; e 2)as vezes a coisa é tão insana que eu passa a impressão que brasileiro já nasce bandido.
Marcos K.

Anônimo disse...

Aqui a Nova Zelândia até há pouco tempo os fazendeiros deixavam seus produtos na margem das estradas onde os passantes pegavam o que queriam e deixavam o dinheiro correspondente. Então nossos compatriotas começaram a chegar e o sistema teve de ser abandonado...

Vicente disse...

Tudo isso junto, se chama Educação.
Quando um pais, é estuprado com um golpe de estado, e as escolas são sucateadas, os professores só sabem muito mal Alfabetizar, é este o resultado. Gente Quem não conheceu as escolas dos anos 60s, não sabe e não tem ideia de como mudar o Brasil!

ZP disse...


Só uma coisinha prezados, não é na "escola" que se formam pessoas honestas! Sempre escutei que educação vem do "berço", e concordo com isso. Nossas crianças já chegam na escola com referências éticas trocadas, freios morais desativados pela ação deletéria dos próprios pais. Basta ver o comportamento dos pais, no trânsito, ao levar e buscar filhos na escola. Todos se julgam no direito de parar em fila dupla, sobre a faixa para pedestres e desrespeitar o sinal vermelho... E não tem essa história de brasileiro médio não; o primarismo e quase geral...

Emerson Entz disse...

Mais do que certo , fico envergonhado por ler tanta verdade que não da para contestar ... É uma pena que fique só na vergonha mesmo e nada sera feito para mudar isso ...

Anônimo disse...

caramba! não sou desse país

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...